Login

Esqueci minha senha

Últimos assuntos
» Qual é o nome dessa fonte?
Qui 14 Maio - 14:04 por Mike22

» Puta mundo injusto...
Ter 20 Ago - 0:39 por Shinji Ikari

» Desafio Logo Squiak
Sex 6 Jul - 19:41 por rcmcastro

» Desafio Logo Squiak
Sex 6 Jul - 19:39 por rcmcastro

» JOGO: Descubra o anime
Sab 30 Jul - 17:54 por Shinji Ikari


Changeling

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Changeling

Mensagem por Aria Sanrevelle em Seg 28 Jan - 17:05





Sofia vivia com sua mãe e seus dois irmãos em um apartamento na parte nobre da cidade. Seu pai que morrera quando era ainda muito pequena, deixara uma fortuna do seguro de vida para a família, e agora eles viviam bem. Haviam se mudado da pequena casinha no interior para a cidade grande, a família inteira se animara, mas Sofia não. A irmã mais velha de Sofia era Ana, ela já tinha 14 anos e fazia balé, o irmão mais novo viciado em games, não fazia outra coisa se não jogar e comer.

Sofia era um pouco diferente, mas isso não fazia dela uma criança anormal, era apenas... Criativa. Durante suas tardes livres ela prendia seu cabelo liso cor de fogo em um coque, colocava um avental amarelo e ia pintar. Seus quadros não eram excepcionais, mas ela aprendia rápido, e aos dez anos já os expunha em publico.

Sofia tinha uma amiga, Letícia, o pai de Letícia tinha uma oficina, e as duas costumavam brincar por lá. Elas montavam e desmontavam coisas, e enquanto Letícia queria criar algum brinquedo novo, Sofia bolava meios de pregar peças nos funcionários com as criações da amiga.

Um dia, quando Sofia voltava para casa com sua maleta de pintura debaixo do braço, ela viu um brinquedo em forma de gnomo sentado na cerca de sua vizinha. Ele balançava distraidamente os pézinhos e fumava seu charuto enquanto lia um livro. Estranhamente por alguns segundos ela teve a impressão de que isso era super natural e sentiu que o mundo mudava ao seu redor, estava mais rosa e brilhante, a grama parecia vibrar com um vento que não existia, flashs de asas de borboletas davam rasantes sobre sua cabeça, e o brinquedo em forma de gnomo olhava para ela com feições preocupadas, enquanto soltava rosquinhas de fumaça. * está tudo bem garota?*.

Voltando a si, e após o primeiro choque, percebeu com certo alivio que a voz não era do boneco, mas de sua vizinha... O problema é que a velha senhora Flits tinha chifres enrolados de cada lado da cabeça, e lembrava um bode da cintura para baixo. Então sua visão escureceu. Ela acordou 3 horas depois sentindo o cheiro mais delicioso que já provara em sua vida, lembrava morangos... E lá estava a senhora Flits.

Mas isso não era tudo, ao se sentar e mirar-se no vidro da janela, percebeu que tinha orelhas pontudas e pelos nas laterais do rosto. * você é uma Pooka minha filha, já sabe seu nome?* e de repente, com toda a certeza do mundo invadindo seus pulmões, ela percebeu, sabia seu nome * Anile*. E ao dizê-lo lembranças invadiram sua mente, havia imensos dragões, havia guerras e havia um mundo diferente feito do sonho condensado. Uma tristeza nostálgica lhe tomou o coração, o vazio que segue cada changeling, por todas as suas vidas.


Última edição por Aria Sanrevelle em Sex 9 Maio - 0:07, editado 4 vez(es)

Aria Sanrevelle
Técnico
Técnico

Número de Mensagens : 359
Idade : 27
Data de inscrição : 02/12/2007

Ver perfil do usuário http://ephraimsidhe.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Changeling

Mensagem por Aria Sanrevelle em Qua 30 Jan - 23:21


A Era das Lendas

Há muito tempo, quando os homens ainda não conheciam a existência da televisão ou dos videogames... Não, há muito mais tempo, na época em que perceberam que podiam se erguer sobre duas patas, o Sonhar e a realidade eram um único mudo.

Conhecida como a Era das Lendas, era um tempo onde nenhuma barreira os separava, e as energias mágicas corriam livremente pelo mundo mortal. Caso essas energias tocassem rocha, planta ou animal, criaturas fantásticas eram criadas. As Fadas (filhos dos sonhos) atravessavam livremente as fronteiras de ambos os reinos, e viajavam pela Terra ensinando as criaturas de pouca vida a sonhar.

Essa habilidade de formar novas coisas através dos pensamentos fragmentados e sonhos profundos servia para manter Arcádia ou o Sonho, a terra das Fadas, ainda mais ligada ao mundo mortal. Dando o segredo de seu sangue (os sonhos) para os homens, as fadas visavam garantir sua sobrevivência e proliferação, pois se alimentavam dessa energia que é transmitida através da imaginação, e a qual dão o nome de Glamour.

Em algumas terras, as fadas se tornaram deuses para os Filhos de Eva e os Filhos de Adão.


Última edição por em Qui 31 Jan - 15:58, editado 1 vez(es)

Aria Sanrevelle
Técnico
Técnico

Número de Mensagens : 359
Idade : 27
Data de inscrição : 02/12/2007

Ver perfil do usuário http://ephraimsidhe.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Changeling

Mensagem por Shendu Blackford em Qui 31 Jan - 12:59

Ah que lagal Gala! ^^
Essa é a história que você disse estar jogando?
Parece ser uma história diverta e cheia de fantasia ...
Vai continuar postando ela aqui?

Shendu Blackford
Freelancer
Freelancer

Número de Mensagens : 263
Idade : 25
Data de inscrição : 19/12/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Changeling

Mensagem por Aria Sanrevelle em Qui 31 Jan - 16:13

É sim Shendu, é o RPG que estou jogando agora. Ele é muito bom mesmo ^^.
Vou colocar aqui umas noções básicas apenas pra quem se interessar.


Última edição por Aria Sanrevelle em Dom 6 Abr - 9:51, editado 2 vez(es)

Aria Sanrevelle
Técnico
Técnico

Número de Mensagens : 359
Idade : 27
Data de inscrição : 02/12/2007

Ver perfil do usuário http://ephraimsidhe.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Changeling

Mensagem por Aria Sanrevelle em Qui 31 Jan - 16:16



Separação

Para algumas fadas, os humanos não passavam de fontes de sonhos (ou pesadelos) das quais podiam se alimentar sem nenhum escrúpulo. As mentes impressionáveis dos mortais não tinham poderes sobre as afeições e ódios volúveis dessas criaturas divinas. E assim como aprenderam a sonhar, aprenderam a temer os sonhos. Esse ato de auto-preservação muito compreensível ocasionou a lenta separação entre O Sonho e a realidade humana, ocaso conhecido como a Separação.

Alguns dizem que a separação aconteceu simultaneamente com a Idade do Ferro, quando o homem aprendeu a criar armas que poderiam causar males sérios tanto em criaturas mortais quanto em imortais.
Outros dizem que quando o homem aprendeu a sonhar, também aprendeu a desacreditar seus sonhos, negando a luz dos dias, os fantasmas que os assombrava a noite.

Conforme tribos cresceram e se assentaram em um só lugar, erguendo cidades de madeira e pedra que os cercava e protegia, a realidade passou a existir de uma forma única e linear, sem nenhuma mudança. Sonhos, e os verdadeiros sonhadores, se tornaram cada vez mais raros.

Gradualmente o reino mortal começou a se separar do Sonho enquanto os humanos erguiam barreiras de explicações lógicas e muros de descrenças entre eles, e as criaturas nascidas dos sonhos.

Onde uma vez as fadas controlavam as visões de homens e mulheres, agora elas se encontravam presas aos sonhos mortais. Suas vidas começaram a imitar a sociedade humana. Chefes das fadas se tornaram reis, guerreiros tomaram a forma de cavaleiros e as terras do sonho foram dividas em cidades-estados. Do mesmo modo as guerras e conflitos entre as tribos humanas jogavam suas sombras sobre o mundo dos sonhos.como resultado as fadas começaram a erguer muros contra as visões indesejáveis dos mortais. A névoa veio para enevoar as mentes humanas, e assim não permitir que elas chegassem até Arcádia.

A inquisição trouxe o máximo da Separação, pois buscavam eliminar todos os seres sobrenaturais, e isso incluía as fadas. Para se protegerem da forca e da estaca as fadas se retiraram cada vez mais para dentro do Sonho, saindo apenas em algumas datas especiais como os Samhain, Beltane e solstício de inverno.

Aria Sanrevelle
Técnico
Técnico

Número de Mensagens : 359
Idade : 27
Data de inscrição : 02/12/2007

Ver perfil do usuário http://ephraimsidhe.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Changeling

Mensagem por Aria Sanrevelle em Qui 31 Jan - 20:26



Despedaçar

Eventualmente as linhas que ligavam o mundo mortal ao sonhar começaram a se soltar uma após a outra. Essa quebra final de laços entre os dois reinos ficou conhecida como o despedaçar, pois uma a uma as ligações entre os mundos se enfraqueciam e soltavam, selando para sempre a entrada para o Sonho naquela região.

No século XIV a terra é abalada por uma nova era, profetas da razão cujos esforços terminaria no Renascimento tentava explicar através da ciência moderna eventos misteriosos e incontroláveis assim como as epidemias.
O povo comum escolheu como refugio as novas religiões, abandonando suas antigas crenças no sobrenatural para se unirem a igreja, que se espalhava, não permitindo que houvesse espaço para nenhuma mágica que não fosse a sua própria.

Conforme os portais se transformavam em nada os filhos dos sonhos perceberam que a inatividade resultaria em aniquilação. Nos anos que se seguiram ao despedaçar, todas as fadas tiveram que escolher um dos três destinos que decidiria seu rumo para sempre.

Alguns se retiraram para lugares de poder, e através de rituais se selaram fora do mundo mortal, essas fadas, conhecida como Os Perdidos, ainda moram, perdidos em sua realidade imutável.

Outros, e entre esses a maioria nobres Sidhes, fugiram para Arcádia por algum dos portais remanescentes. Em alguns lugares batalhas ferozes eram realizadas aos pés dos portais rachados, onde Sidhes frenéticos lutavam por um lugar nas terras de Acárdia antes que o portal desaparecesse.

Muitos dos Khits plebeus se viram presos no mundo mortal, abandonados por uma nobreza assustada demais para se preocupar com alguém que não fosse eles mesmos.
Essas fadas abandonadas tentaram se adaptar ao mundo frio da realidade humana. Conforme a banalidade se espalhava pelo mundo, aquelas que não puderam voltar para Arcádia passaram por uma transformação desesperada, cobrindo suas verdadeiras naturezas com um aspecto de Banalidade que as permitiu viver em um mundo que não acreditava nelas.

Eles se tornaram changelings, e pelos próximos séculos eles lutariam para manter os fragmentos dos sonhos vivos.

Aria Sanrevelle
Técnico
Técnico

Número de Mensagens : 359
Idade : 27
Data de inscrição : 02/12/2007

Ver perfil do usuário http://ephraimsidhe.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Changeling

Mensagem por Aria Sanrevelle em Dom 24 Fev - 16:20


Interregnum

Seguindo o despedaçar, o período conhecido como Interregnum viu grandes mudanças na realidade humana e das fadas.Os homens redescobriram antigos pensadores e, através de suas idéias se afastaram cada vez mais das crenças e religiosidade.

A era da exploração e a era a invenção alimentaram uma nova era, onde novos mundos foram descobertos, pensamentos foram transformados, plebeus se transformaram em trabalhadores, e monarcas em barões industriais.

As fadas, agora transformadas em changelings, por estarem presos em um corpo mortal e apenas levemente ligados a suas contrapartes mágicas, experimentavam mudanças que eram mais devastadoras, porém não mais desafiadoras do que a que a raça humana enfrentava.
Sem estrutura social, sem lideres, e se acostumando ao invólucro de carne mortal e deixados para se defenderem sozinhos, as fadas montaram grupos pequenos de proteção mutua, ou se misturavam entre os homens tentando esconder sua natureza mágica.

Com o desaparecimento das estruturas feudais, e o aparecimento de grandes cidades, muitos desses changelings tomaram a estrada. Se juntando a circos, shows de horrores, peregrinos. Viajando de vila em vila incapazes de se ajustar à sociedade humana. Na companhia da escócia da sociedade eles encontraram refugio, uma válvula de escape para seus impulsos criativos, além de uma fonte segura de glamour. Por viajarem entre artistas nômades, fonte de criatividade transbordante, eles conseguiam uma quantidade de glamour o suficiente para manterem as finas ligações entre seu corpo humano e sua alma fada.

Aria Sanrevelle
Técnico
Técnico

Número de Mensagens : 359
Idade : 27
Data de inscrição : 02/12/2007

Ver perfil do usuário http://ephraimsidhe.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Changeling

Mensagem por Aria Sanrevelle em Dom 24 Fev - 22:12



Caminho Changeling


Para sobreviver em um mundo saturado de banalidade e separado do Sonho, as fadas que estavam encalhadas no reino mortal descobriram um meio de proteger seus frágeis espíritos. Esse processo conhecido como Caminho Changeling, consiste em criar uma caixa de mortalidade para servir como lar a suas partes mágicas. Da mesma forma como os humanos usam roupas para se proteger de certos elementos, as fadas se vestiam de carne mortal para sobreviver a Banalidade.

A primeira geração de fadas apenas criava uma barreira protetora de glamour, com pequenas doses de banalidade que davam a elas o poder de se disfarçar como humanos, loucos e estranhos, mas humanos. Com o tempo, esse método se mostrou ineficaz, pois a banalidade era grande demais e se espalhava por todos os lados. Depois de varias tentativas e erros eis que descobriram um método mais seguro e permanente.

Eles passaram a implantar seus espíritos em corpos de humanos recém nascidos, se fundindo com a mortalidade do hospedeiro sem destruir suas almas.

Começando suas vidas em carne humana, changelings poderiam evitar serem destruídos pela banalidade. Para fazer isso, porém, os Kithain (como os changelings chama a si próprios) tinham de sacrificar seu conhecimento imediato de sua verdadeira natureza, o forçando a dormência até que pudesse emergir com segurança, numa certa parte da infância, esse processo é chamado de crisálida.

Aria Sanrevelle
Técnico
Técnico

Número de Mensagens : 359
Idade : 27
Data de inscrição : 02/12/2007

Ver perfil do usuário http://ephraimsidhe.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Changeling

Mensagem por Aria Sanrevelle em Sab 19 Abr - 22:17

Se os garous possuem tribos, e os vampiros clãns, então é de se esperar que changelings se subdividem em grupos menores com características únicas entre eles, e estes são os chamados kiths.

Ao todo são nove Kiths diferentes, alguns mais sábios, outros mais espertos, ou abilidosos com as armas ou ferramentas, alguns pacatos e aconchegantes, outros aventureiros sombrios. Aqui segue uma relação de todos eles.

Boggans:
Boggans tem como seu maior prazer o trabalho. Um trabalho honesto, boa companhia e rotina regular é o que a maioria dos boggans quer. Se diz que um boggan é tão honesto quanto a sujeira em suas mãos. Essa honestidade inclui uma necessidade de ajudar os outros. Boggans são conhecidos por sua hospitalidade, e poucos se recusam a ajudar viajantes em necessidades.

Boggans valorizam conforto e segurança. Se a casa pertence a eles ou a outra pessoa faz pouca diferença. Os tipos mais sedados se fixam em posições de cuidado; carpinteiros, jardineiros, cozinheiros e barmans ganharam todos notoriedade entre os seus. Por enquanto que as pessoas as quais os boggans ajudam apreciam eles, o povo simples faz o seu melhor. Há outra razão para que os boggans humildemente se integram a moradas: eles são fofoqueiros notórios. Os segredos que eles “sem querer ouvem” são considerados uma recompensa justa por seu trabalho duro.

Qualquer um que ache que um boggan irá sempre ser subserviente é um tolo. Apesar de se devotarem ao serviço dos outros, eles sempre sabem seu próprio valor. Mesmo quando está empregado por outros, um representante firme desse kith se vê como o senhor da situação. Prestando serviço aqueles em necessidade, boggans ganham um sentido de nobreza que nenhum título ou posição pode se igualar.

Aparência:
Boggans são pequenos em estatura, com cabelos cheios e macios e uma tendência a serem rechonchudos. Eles normalmente tem olhos pequenos e brilhantes, enfatizando seus narizes largos. Suas mãos são bem largas e com calos, com dedos ágeis e juntas marcadas. Boggans normalmente tem sobrancelhas excepcionalmente cheias, que emolduram seus olhos e brilham descontroladamente. Sua pele é bronzeada, e escurece e enruga com a idade. Suas roupas normalmente são simples pelos padrões Kithain.

___________________________________________________________________________
Eshu

Os Eshu são personificações do espírito das aventuras e viagens. Nasceram dos sonhos de tribos da antiga áfrica e índia e agora podem ser encontrados em qualquer lugar do mundo.
Consumidos pelo desejo das estradas, ele valorizam as características do bom “mochileiro” charme e raciocínio rápido e engenhoso. Depois de milênios de tais viagens, em contato com todo tipo de cultura, era de se esperar que os eshus se tornassem exímios contadores de histórias e canções.
Se alguém conseguir ganhar de um Eshu em algum esquema de raciocínio, esse kithain merece respeito, pois além de tudo os Eshus são trapaceiros imbatíveis.

Contadores de histórias, bardos, comerciantes e artistas consumados, o povo sem descanso usa a sabedoria de milhares de jornadas para guiar suas Artes. Atuação os enquadra melhor, pois os eshu consideram o espírito do momento como sendo tudo. Qualquer um que de a um eshu novos contos, boas canções ou danças ou uma bebida forte é tratado como um companheiro querido... até que o espírito do momento passe, pois a vaidade e curiosidade costumam colocá-los em encrenca por tantas vezes que eles acabam por se tornar seres desconfiados e de poucos amigos.
Inspirados por essa alegria, eles se continuam e procuram aventuras ainda maiores. Outros Kithain podem achá-los volúveis, mas quem liga? Alguém que não pode seguir os caminhos é melhor deixado para trás.

Sobreviver nunca é o bastante, um Eshu precisa que suas atitudes impressionem aos seus. Cada ação deve possuir um ar de dignidade, beleza e charme. Logo são orgulhosos e preferem passar dias sem comida ou abrigo, se por acaso o contrario ferir seu orgulho.

Aparência:

Apesar de eshu de todas as raças existirem, a maioria tem compleição negra, cabelos negros e olhos negros ou azuis escuros. Eles tendem a ser altos e musculosos, com braços longos e traços finos. Qualquer que seja o estilo que usem, os eshu são sempre charmosos, apesar de tenderem a favorecer cachecóis e seda com um sabor do Meio Oeste ou Africano. É dito que a passagem do próprio tempo pode ser visto olhando nos olhos de um eshu.


Última edição por Aria Sanrevelle em Qua 23 Jul - 14:24, editado 8 vez(es)

Aria Sanrevelle
Técnico
Técnico

Número de Mensagens : 359
Idade : 27
Data de inscrição : 02/12/2007

Ver perfil do usuário http://ephraimsidhe.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Changeling

Mensagem por Elëssar em Seg 21 Jul - 23:57

Isso tudo é muito familiar pra min, porque será? HEHE... Saudades daquele tempo...

Elëssar
Freelancer
Freelancer

Número de Mensagens : 152
Idade : 25
Data de inscrição : 22/01/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Changeling

Mensagem por Aria Sanrevelle em Ter 22 Jul - 1:19

Sim, saudades de jogar Changelings. Foi o melhor de todos até hoje, melhor até que Cthulhu.
Se quiser me ajudar a continuar o tópico pra matar a saudade primo hasuashsaushaa.

Aria Sanrevelle
Técnico
Técnico

Número de Mensagens : 359
Idade : 27
Data de inscrição : 02/12/2007

Ver perfil do usuário http://ephraimsidhe.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Changeling

Mensagem por Elëssar em Ter 22 Jul - 1:24

Poxa, podemos tentar, afinal, passamos nossas belas madrugadas fazendo simplesmente N-A-D-A ((ao menos eu! AHAH)), tenho então mais tempo. Bom, no que posso ajudar prima?

Elëssar
Freelancer
Freelancer

Número de Mensagens : 152
Idade : 25
Data de inscrição : 22/01/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Changeling

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 1:04


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum